REVISTA NGANGA

É com muito prazer que apresentamos aos kimbandas brasileiros e interessados nos assuntos que envolvem a tradição de Quimbanda, magia crioula (makumba) e feitiçaria tradicional brasileira a Revista Nganga. O termo nganga é um vocábulo congo que designa uma antiga posição sacerdotal nos cultos bantos; trata-se de um médico ritual e manipulador de forças vitais, um xamã ou pajé curandeiro africano equivalente ao vocábulo kimbundo kimbanda. No quicongo o nganga é um sábio, um mestre, um sacerdote que se comunica com os ancestrais divinizados, intermediários entre ele (o indivíduo) e as forças divinas. Na África banto de modo geral o nganga é um médico ritual, curador e livrador de mazelas da alma, um sábio detentor de conhecimento de mistérios ocultos, magia e comunicação com os mortos, porque o vocábulo é associado também à ideia de poder mágico.

É para homenagear este feiticeiro curador ancestral que demos a revista o nome de nganga, porque é este indivíduo, seu papel de agente social, que inspira o sacerdócio de nossa família de Quimbanda Nàgô. A revista contará com ensaios, portanto, dos ngangas de nossa família. Basta clicar nos links abaixo para fazer o download dos números disponíveis.

Táta NgangaKamuxinzela

Cova de Cipriano Feiticeiro

Revista Nganga No. #1

Revista Nganga No. #2

Revista Nganga No. #3

Revista Nganga No. #4

Revista Nganga No. #5

Revista Nganga No. #6

Revista Nganga No. #7

NGANGA
SUPLEMENTOS DE ESTUDO

Estamos criando essa área de suplementos de estudo para àqueles que desejam se aprofundar nos temas que tratamos na Revista Nganga. São estudos que criam pontes de conexão entre as edições da revista, construindo um entendimento mais profundo. Esses estudos foram construídos para estarem na revista, mas que optamos por algum motivo em deixá-los de fora. 

Os Papiros Mágicos Gregos & a Macumba Brasileira (faça o download aqui)

O tema que temos explorado nas duas últimas edições (Nos. 4 e 5) é sobre a incursão diabólica na feitiçaria tradicional brasileira. Eu terminei a discussão na Edição 4 dizendo que iria fazer um histórico sobre a história da magia com ênfase no desenvolvimento da tradição dos grimórios. Mas não faz sentido falar sobre o desenvolvimento da tradição dos grimórios sem falar de suas raízes, os Papiros Mágicos Gregos. Então este artigo é um interregnum neste tema da incursão diabólica para fundamentar o estudo sobre o desenvolvimento da tradição dos grimórios na busca pela compreensão da influência deles na Quimbanda.