Oráculo na Quimbanda & Umbanda



A nossa família de Quimbanda zela pelo conhecimento, porque ele é o único capaz de combater a ignorância espiritual camuflada nos inúmeros preconceitos acerca das religiões que compõem a comunidade afro-brasileira. Chegou-nos essa ideia: a umbanda é fraca, eles não têm nem oráculo. Partiu de alguém que está chegando agora em nossa comunidade. Mas ele reproduziu isso, porque falaram isso a ele. Para começar, o oráculo tradicional da Umbanda é a ENTIDADE.


Dessa forma, não convém exigir de um pai de santo da Umbanda que ele tenha um oráculo para atender na Umbanda. Com pés no chão: ele não precisa, porque na Umbanda as entidades vêm em terra para fazer tudo. Essa é uma característica tradicional da Umbanda.


O processo na Umbanda sempre ocorre entre médium e entidade; paranormalidades como clariaudiência, clarividência ou a manifestação direta da voz do guia era um recurso comum dos médiuns mais antigos de Umbanda; mas isso começou a se perder com o passar do tempo com a inclusão de práticas espíritas na Umbanda, o que criou um temor dessa comunicação direta com as entidades.


Nas práticas banto – Umbanda, Quimbanda, Cabula, Candomblé de Angola, entre outros – não existe espaço para o medo da comunicação espiritual; esse medo que gradativamente começou a parasitar a Umbanda nasceu da temerária ideia cristã de contato com os mortos, quer dizer, necromancia.


Mas existe um movimento de resgate oracular na Umbanda no uso da Àlubósa (Alobaça), do Obí e do próprio oráculo de quatro cauris. Em algumas casas essas práticas oraculares foram abandonadas, dando lugar ao baralho cigano, tarô e outros métodos divinatórios mais comuns ao ocidental.


Na Quimbanda o táta-nganga não precisa estar o tempo todo com Exu em terra para fazer as fundamentações de culto, atender consulentes ou transmitir sabedoria, por muitos motivos. Como um SACERDOTE, o táta-nganga foi preparado para receber e ajudar as pessoas, utilizando sim o poder dos espíritos, mas sem estar incorporado.


Pela força e poder de seus mestres tutelares, pelo moyo lhe transmitido no curso de sua iniciação e treinamento, o táta-nganga não precisa estar incorporado para oracular através da Cabalá de Exu, assim como um bàbááwo de Ifá não precisa estar incorporado para oracular com òpélé. O oráculo tradicional da Quimbanda Nàgô, Cabalá de Exu, não exige que o táta-nganga esteja incorporado. Através de sua autoridade sacerdotal, conferida a ele por um táta mais velho em conformidade a ação dos espíritos, o sacerdote acessa o Povo de Ganga através do oráculo.


Como um táta-nganga, um sacerdote da Quimbanda, ele tem autoridade e autorização espiritual para intervir sacerdotalmente/magicamente na vida daqueles que buscam seus cuidados, sem estar necessariamente incorporado.


Táta Nganga Kimbanda Kamuxinzela (com contribuição do kimbanda Zelawapanzo)

Cova de Cipriano Feiticeiro

Templo de Quimbanda Maioral Exu Pantera Negra e Pombagira Dama da Noite

152 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tudo Volta