253 Sem Título_20210702205741.png

Exu Pantera Negra é o Espírito-Chefe da Ordem Negra de Quimbanda e da confraria hermética de kimbandas, a Cova de Cipriano Feiticeiro através do Templo de Quimbanda Maioral Exu Pantera Negra e Pombagira Dama da Noite. O Pantera Negra de nossa Casa (ou Chão de Quimbanda) é um Onú (alma ancestral deificada) do Povo Onça (Kotô Kanguí) que decidiu trabalhar dentro da codificação de Quimbanda do Chefe Império Maioral, o Diabo. 

Os Onús são uma classe de almas que receberam as honrarias do Povo Onça, tornando-se guardiões individuais de muito poder, almas que fizeram sua passagem no interior das matas escuras do Brasil, heróis do Quilombo onde existia a interação - quase sempre pacífica - entre nativos brasileiros e africanos fugitivos dos engenhos. Esses espíritos, os Onús do Povo Onça, podem se manifestar em várias tradições espirituais como a Umbanda e a Quimbanda colaborando com a Força (àṣẹ) de Koto Kanguí para evolução da consciência humana, sendo essa uma das finalidades da existência dessa classe de espíritos. Diferente do imaginário fantasioso que se construiu acerca da origem de Pantera Negra, como se ele fosse um índio americano, este espírito deificado, xamã feiticeiro caçador, vem do Quilombo. Danilo Coppini explica no seu Curso do Povo Onça:

Dentro do «cenário» anteriormente descrito, imagine um Quilombo onde africanos e nativos interagiam. Em uma cerimônia religiosa noturna, um dos participantes em transe incorpora um espírito que emite sons muito similares a uma onça. Dependendo da origem do ritual, esse espírito poderia ser classificado (de acordo com as origens dos povos presentes) como uma deidade ou ancestral. Assim ocorreram as primeiras manifestações dos Caboclos e Exus denominados «Panteras Negras». 

Nós nos referimos carinhosamente ao Templo de Quimbanda Maioral Exu Pantera Negra e Pombagira Dama da Noite como Casa de Pantera Negra onde praticamos uma feitiçaria de inclinação tribal, xamânica, porque nosso Chão de Quimbanda vem da Makaia (o Reino das Matas). Nossos rituais são norteados por antigas práticas de feitiçaria da Quimbanda Nàgô e rituais rupestres tribais que incluem magia natural (fórmulas herbais), comunicações com espíritos elementais (Xianús), forças primordiais (N'cálas), construção de fetiches, adoração de totens, sacrifícios propiciatórios, cura ancestral e autoconhecimento. Em nosso Chão tocamos uma Quimbanda que herda muitos fundamentos e práticas do xamanismo ancestral e tribal ameríndio norteado pelo Culto do Povo Onça (Kôto Kanguí). 

Na Quimbanda Exu Pantera Negra é o chefe da Falanges dos Panteras Negras, popularmente conhecidos por Caboclos Quimbandeiros. Mas em verdade os Caboclos Quimbandeiros estão entre todos os Povos do Reino da Makaia. Em uma publicação antiga do site Filosofia Oculta eu escrevi:

Exu Pantera Negra é um poderoso xamã da mata escura, conhecedor das artes mágicas e alquimista das plantas e ervas de poder. Em seu ataque mágico Mestre Pantegra é rápido, mas silencioso; certeiro e agressivo, carregando a virtude e o poder das presas e garras para separar a carne dos ossos de suas vítimas, e a virtude da pele da pantera negra, seu totem, para ocultar-se nas sombras. Tamanho é seu poder de cura e magia que Mestre Pantera é considerado o «Exu das causas impossíveis». Exu Pantera Negra é o Chefe da Legião dos Panteras no Reino das Matas (Makaia), uma linha de caboclos feiticeiros, curandeiros, caçadores e guerreiros. Ser membro da Falange do Pantera é uma honrarina nos Reinos de Exu. «Pantera Negra» não é o nome de um Exu, mas um título de honra, força, poder e nobreza. Mestre Pantera se apresenta nas giras de magia como um homem sério, centrado, arredio e de pouca conversa, no entanto, quando necessário se manifesta com força e disposto a luta, com um apurado senso de justiça. Exu Pantera Negra «abre linha», quer dizer, dá acesso a seus adeptos kimbandas a outras linhas de trabalho magístico, quando necessário no desenvolvimento mágico-espiritual. Como um feiticeiro do Reino das Matas, Mestre Pantera é ágil na abertura de caminhos, quebra de demandas e desobsessão espiritual.

Em nossa Banda Exu Pantera Negra tem uma mensagem muito clara, a inclusão. Ele diz: a Quimbanda começou como um amontoado de escravos presos em corpos vestidos de trapos, mas livres de espírito, sedentos por luta. Todos que têm essa sede são bem vindos.

Eteuá Pantera Negra!

Anantê mi!

Ki mi xanká!

Januilã kanguí!

Laroyê Exu Pantera Negra!

Pantera Negra Exu é Mambá!

Nguzo ê Quimbanda!

Táta Nganga Kimbanda Kamuxinzela (Fernando Liguori)

Cova de Cipriano Feiticeiro

Templo de Quimbanda Maioral Exu Pantera Negra e Pombagira Dama da Noite